Desaguadero

Voltar atrás
Category: América do Sul
  • Desaguadero
  • Desaguadero3
  • Desaguadero5
  • Desaguadero6
  • Desaguadero7
  • Desaguadero8
  • Desaguadero10
  • Desaguadero11
  • Desaguadero12
  • Desaguadero14
  • Desaguadero15
  • Desaguadero16
  • Desaguadero17
  • Desaguadero18
  • Desaguadero19
  • Desaguadero20
  • Desaguadero22
  • Desaguadero23

3

 likes
Partilhar esta galeria:

Durante a nossa viagem pelo Perú e Bolívia cruzámos duas vezes a fronteira. E em cada um dos sentidos por um lugar diferente… Na primeira vez íamos em sentido Perú-Bolívia e entrámos pelo posto fronteiriço de Kasani para chegar a Copacabana e à Ilha do Sol. Tal como esperávamos o processo foi um pouco lento. Tivemos que abandonar o autocarro e atravessar a pé. Pelo caminho é necessário preencher um formulário (que, por certo, tivemos que fotocopiar por nossa conta porque não havia suficientes exemplares disponíveis) e todos os documentos são analisados pelas autoridades, para certificar-se de que estão em ordem. Terminado este processo entrámos novamente no autocarro e prosseguimos viagem tranquilamente já em território boliviano e com dois passageiros menos que a polícia não deixou passar…

Mas o mais divertido foi o regresso. Esta vez entraríamos no Perú por Desaguadero, uma pequena povoação localizada na nascente do rio com o mesmo nome (que funciona como fronteira natural), e que pertence simultaneamente aos dois países. Quando chegámos ficámos surpreendidos com a quantidade de gente e veículos que por aqui circulavam. E havia de tudo! Pequenas barracas com comida de rua, agências de cambio improvisadas, mais ou menos legais, e até duches com água quente, coisa que nos foi difícil encontrar ao longo de toda a viagem!

Ficámos depois a saber que Desaguadero é um importante posto de intercâmbio comercial para a gente da região e também um foco de contrabando, já que está em pleno passo fronteiriço e por aqui passam centenas de pessoas diariamente, entre habitantes das aldeias mais próximas e turistas como nós.

Rodeados por dezenas de vendedores, bicicletas, carros e alguns animais, lá conseguimos atravessar a ponte e chegar a território peruano. Para trás ficava um lugar quase surreal, repleto de rostos cansados e marcados pela vida dura desta região localizada a quase 3.400 metros de altitude, mesmo ao lado do Titicaca, o lago mais alto do mundo!

Comentar este artigo


Clica no formulário para ver mais