12
Fev-2016

Sobrevoando as Linhas de Nazca, no Peru

América do Sul, Perú   /   Etiquetas:

O deserto de Nazca, no sul do Peru, oculta um dos grandes mistérios da Humanidade. Um conjunto de figuras de grandes dimensões, que só podem ser corretamente observadas desde o ar, e que ocupam uma extensão de mais de 80km de deserto, entre as cidades de Nazca e Palpa, a cerca de 400 km ao sul de Lima, a capital.

Entre as centenas de figuras desenhadas em solo rochoso há simples linhas geométricas, mas também figuras humanas e animais, desenhadas com todo o detalhe e rigor. E algumas chegam a alcançar os 200 metros de diâmetro. Como puderam ser desenhadas com tamanha perfeição, numa época em que ainda não havia drones ou aviões? E quem foram os autores de tão enigmática obra?

Nazca

Voando sobre as Linhas de Nazca

Há quem diga que foram extraterrestres, outros apontam a autoria a elementos da cultura Paracas. Mas a teoria com mais seguidores é a que afirma que os traços correspondem ao estilo da civilização Nazca, que habitou nesta região entre os anos 400 e 650 d.C. Mas a verdade é que desde 1930, quando as primeiras pessoas observaram as Linhas de Nazca desde um avião, estas formas geométricas originaram todo o tipo de especulações, foram tema de livros e teses doutorais, reportagens e documentários. Mas ainda hoje há perguntas que permanecem sem resposta…

Mesmo assim, o que ninguém pode negar é a importância história e científica desta obra que em 1994 foi classificada como Património Mundial pela UNESCO.

MapaNazca

Itinerário realizado sobre as Linhas de Nazca

Simbologia das Linhas de Nazca

A maioria dos arqueólogos e antropólogos que se dedicaram a estudar a Civilização Nazca afirmam que estas linhas foram desenhadas de forma a poder ser vistas desde o céu pelos seus deuses de culto. Há também autores que as relacionam com a cosmologia e que afirmam que muitos dos desenhos apontam a lugares específicos no horizonte onde nascem ou se põem determinados astros, funcionando assim como uma espécie de observatório astronómico.

Há também uma teoria mais recente, elaborada pelo arqueólogo Johan Reinhard, que defende que estas linhas e figuras estão relacionadas com o culto a determinados deuses associados com a disponibilidade de água, que nesta zona do mundo é um bem demasiado escasso. Há que dizer que o deserto de Nazca é um dos secos do planeta, com temperaturas que rondam os 25ºC durante o ano inteiro. O seu clima seco e a falta de vento foram, no entanto, um dos factores que ajudaram a manter as linhas visíveis e praticamente intactas até aos nossos dias…

Voando sobre as Linhas de Nazca

Nós decidimos deixar a observação das linhas para o final da nossa viagem pelo Peru e Bolívia. E foi uma fantástica decisão, porque concluímos o nosso itinerário com imagens aéreas espectaculares…

Depois de passar dois dias em Arequipa, partimos em direção a Noroeste, tendo já como objetivo chegar a Lima, onde apanharíamos o nosso avião de regresso a Barcelona. Não sem antes passar por Nazca, localizada mais ou menos em metade do caminho… Nesta pequena cidade não há muitos outros atractivos turísticos para além das famosas linhas, pelo que nos dirigimos directamente ao pequeno aeródromo local, para dar início ao nosso tour. Depois de pagar cerca de 70 euros por passageiro, levantávamos voo para observar este que é um dos maiores mistérios da Humanidade.

Um beija-flor, uma baleia, um papagaio ou um astronauta… São muitas as figuras que podes observar desde o céu. Aqui vos deixamos um resumo desta experiência inesquecível:

2

 likes / um comentário
Partilhar este post:
  1. Viagem pelo Perú e BolíviaRoadMoving /

    […] faltava desvendar um dos maiores segredos localizados em território peruano… Tínhamos que sobrevoar as Linhas de Nazca! E isso foi o que fizemos antes de regressar a Lima. Por cerca de 70 euros por pessoa subimos a uma […]

Comentar este artigo


Clica no formulário para ver mais

Arquivos

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec